[Mochilão 14] Dia 12: San Andrés-Rio

Último dia da viagem....:-(  

Fiz o checkout e guardei meu mochilão na recepção. Com meu vôo foi só às 18h, deu tempo de curtir o dia na praia.


Cena típica de San Andrés: um monte de carrinhos de golf e motos pelas ruas:


Acordei tarde e perdi o horário do café da manhã. Comi numa padaria perto do hostel.


Biscoitos e suco de laranja (6.200 pesos = R$8,40). O atendimento no balcão era sofrível. Acho que o calor deixa as pessoas na ilha meio molengas.



Fui para a Playa Sprat Bight, que fica perto do hostel (uns 15 minutos a pé).







A ilha de Johnny Cay:


Jet Skis:

Mapa das redondezas:



Calçadão da praia:


Seja educado ! :-)


Playa Sprat Bight:











Almocei no Tabolara, o mesmo restaurante onde fui ontem. Tinha faltado luz quando cheguei, o que transformou o lugar numa sauna. 


Pedi uma "bandeja paisa" (feijão, arroz, ovo, linguiça, carne e banana frica). Veio também uma sopa de entrada.


Aguadepanelas (rapadura derretida com limão e gelo):


O noticiário da TV informava que o dólar havia chegado ao valor recorde de 3.000 pesos, para desespero dos colombianos que almoçavam lá. Um deles resmungou:

- Nooooo ! Cuando llegue a 4.000 pesos, me voy p'a los Estados Unidos ! Me voy !

A conta deu 12 mil pesos (R$16,20).

Voltei pro hostel, tomei um banho (me deixaram voltar no quarto mesmo depois de ter feito checkout...show de bola !!) e fui andando pro aeroporto (10 minutos a pé).

No caminho, um estádio de baseball:


Aeroporto de San Andrés:





O saguão de embarque do aeroporto era uma sauna !! Sinistro demais o calor.  Devia estar uns 35 graus lá dentro. Ventiladores de teto gigantes só espalhavam o ar quente pelo ambiente e não ajudavam em nada.


A sala de embarque pelo menos tinha ar condicionado.

O voo atrasou 40 minutos, e fiquei preocupado com o tempo apertado da conexão em Bogotá.

Vista de San Andrés logo após a decolagem:


2h de vôo até Bogotá:


No aeroporto de Bogotá, o avião aterrisou e ficou parado quase meia hora aguardando autorização para estacionar. Isso complicou ainda mais o tempo de conexão, que já estava curto por causa do atraso em San Andrés. Ainda precisei pegar um ônibus para trocar de terminal e pegar a fila do controle de passaportes. Saí correndo pelo aeroporto feito um maluco, e quando cheguei no portão de embarque, já estava iniciando o embarque. Não deu tempo de trocar os pesos que tinham sobrado por reais. Deveria ter trocado em San Andrés. Fiquei com 160 mil pesos (R$216) "micados" na carteira, que não vou conseguir trocar no Rio porque nenhuma casa de câmbio aceita. Ficarão guardados para quando eu voltar na Colômbia algum dia.

O voo decolou às 22h, e cheguei no Rio às 6h da manhã (+2h de fuso horário).


Assim termina a Operação Fênix ! Foram 12 dias incríveis !! Nunca havia pensado em conhecer a Colômbia. Este país superou totalmente as minhas espectativas. Agora percebo como somos preconceituosos com relação aos nossos vizinhos sul-americanos. Talvez a recíproca também seja verdadeira. Enfim, nada como uma viagem como esta para te ensinar um pouquinho mais sobre este mundão, e te ensinar a ser um pouquinho menos preconceituoso.

Para aqueles que tiveram paciência de ler os posts todos desde o início da viagem, obrigado por prestigiar o blog !

Até o próximo mochilão ! 

[Mochilão 14] Dia 11: San Andrés

Acordei cedo (6:30h) porque havia reservado um passeio para o Cayo Bolivar e a van ia me buscar às 7:15 na recepção.

Pois bem, às 7:15 eu já estava lá no sofá da recepção esperando. Deu 7:30, 7:40, 8:00...e nada. Perguntei na recepção, e me avisaram que o passeio havia sido cancelado por causa das condições do mar. :-(  A guarda costeira colombiana só autoriza a travessia de 25Km (45 minutos) de lancha entre San Andrés e Cayo Bolivar quando o mar não está agitado. Me devolveram o dinheiro do passeio (180 mil pesos = R$243). 

Esse é o passeio mais caro que pode se feito em San Andrés, mas dizem que vale cada centavo, porque a beleza de Cayo Bolivar é espetacular. Fiquei muito frustrado de não poder conhecer esse pedaço de paraíso. Não daria para remarcar o passeio para o sábado, porque o retorno seria às 17h, quando já precisaria estar no aeroporto. Não daria tempo. Fica para uma próxima oportunidade. 

Uma foto de Cayo Bolivar que baixei da internet. Olha só o que eu perdi !!


Resolvi fazer um outro passeio para Haynes Cay e Johnny Cay, duas ilhas que ficam bem mais próximas de San Andrés que Cayo Bolivar. O passeio custou 15 mil pesos (R$20). Reservei na recepção do hostel, e a recepcionista me falou para esperar o barco no "muelle" (píer), que ficava a uns 10 minutos a pé de lá. 

O pier de San Andrés, com um monte de empresas que fazem passeios de barco:



Embarcando:

Até Haynes Cay foram uns 20 minutos de travessia. Chegou todo mundo encharcado !!


Haynes Cay é uma das ilhas mais bonitas que já vi na minha vida ! Sensacional !! A água era tão clara que parecia uma piscina. A ilha estava bem cheio quando cheguei, com um monte de barcos chegando ao mesmo tempo, mas nem me incomodei com isso.




Os barcos desembarcam numa pequena ilha ao lado de Haynes Cay chamada Acuario, e dá para ir andando pelo mar até Haynes Cay.


Há um locker neste bar, onde deixei minha mochila (5 mil pesos = R$6,75).



O Acuario é um lugar sensacional para mergulhar com snorkel. Havia muitas famílias com crianças, que faziam a maior festa no mar com águas mornas e tranquilas da ilha.


Foto que tirei debaixo d'água com a minha "GoPobre" :-)


Haynes Cay vista do Acuario:


Indo a pé pelo mar para Haynes Cay: 







Haynes Cay e o Acuario ao fundo:




Haynes Cay:


Depois de passar 1:30h em Haynes Cay, partimos para Johnny Cay. Foram mais uns 20 minutos navegando até lá.

Chegando em Johnny Cay:




É necessário pagar uma taxa de 4 mil pesos (R$5,40) para entrar na ilha.


Fomos recepcionados por um guia, que informou o horário da volta (15h) e nos levou para o bar "conveniado" da empresa de turismo, para quem quisesse almoçar lá. Me pareceu ser também o mais caro da ilha. Guardei minha mochila no bar e fui dar uma volta na ilha.


Comprei uma cerveja Aguila (5 mil pesos = R$6,75)


Há varios bares na ilha:




A ilha estava bem cheia:







Iguanas:


Este lado da ilha é mais vazio:



Palmeiras:

Comprei uma cocada de uma "baiana" (3 mil pesos = R$4)


Dando um mergulho:



De volta à San Andrés:


Galera andando de Jet Ski:


Calçadão:




Playa Sprat Bight:


Show de salsa numa praça:


Uma mesquita:


Comi no El Corral. O combo com hamburguer, fritas e refri colombiana foi 18 mil pesos (R$24,30).


De noite chegaram quatro hóspedes no quarto bem estranhos. Eram dois caras e duas mulheres que deviam ter uns 25 anos no máximo. Não eram casais. Pelo menos não pareciam. Numa tentativa de socializar, perguntei de onde eles eram, e...fui simplesmente ignorado !! Fiquei no vácuo ! Nunca tinha passado por isso em todos os hostels onde já fiquei. Se você está num quarto coletivo, a regra de etiqueta número 1 é se apresentar para os seus "room mates" assim que você chega, até por uma questão de educação ! Não precisa virar o seu melhor amigo, mas pelo menos um diálogo básico tem que acontecer. O francês e a colombiana que estavam no meu quarto desde o primeiro dia também acharam esse pessoal bem esquisito. Eles simplesmente ignoravam a nossa presença no quarto. Percebemos depois que uma das mulheres tinha voz grossa !!! Travesti, será !? Bizarrooo.....

Fui com eles (a colombiana e o francês) para um bar (cerveja Club Colombia 2 mil pesos = R$2,70) e depois entramos no Coco Loco, a maior boate da ilha. Foi a melhor noite de toda a viagem !!Tocava salsa e a galera toda dançava na maior empolgação. 

A entrada custou 10 mil pesos (R$13,50) e a cerveja Club Colombia era 8 mil pesos (R$10,80).




Como minhas habilidades com a salsa são nulas, foi bem engraçado quando dancei com uma menina de Bogotá que conheci por lá. Acho que acabei dando uma aula básica de forró pra ela, hehehe.

As duas músicas que mais tocaram durante a viagem foram "Vivir mi Vida" (Marc Anthony) e "Bailando" (Enrique Iglesias). Entraram para a trilha sonora da Operação Fênix ! :-)  Cada uma deve ter tocado umas 3 vezes na Coco Loco !!



Depois ainda encontramos com um colombiano gente boa que estava no nosso quarto. Ficamos todos por lá até umas 3h da manhã. 

[Mochilão 15] Dia 23: Quebec - Rio

Último dia da viagem. :-( Mais um dia de sol e temperatura agradável (22 graus). Um dos portões da cidade antiga (Vieux-Quebéc): ...