[Mochilão 11] Dia 6: Auckland - Rotorua


Último dia em Auckland. Fizemos o check out na recepção e guardamos as mochilas no quarto de bagagens do hotel.



Comi uma torta vegetariana e uma barra de cereal gigante. Com o suco de frutas vermelhas deu $10,50 (R$23).


Fomos em direção ao Auckland Domain (parque). No caminho, passamos pela Auckland University, que estava bem movimentada. Estava rolando uma aula de lambaeróbica no pátio. A estrutura da universidade é show de bola. Vimos até uma academia dentro dela. 



O Auckland Domain:




O Auckland Museum:


Resolvemos não entrar no museu, porque não daria tempo de ver nada, e ainda queríamos conhecer o estádio de rugby (Eden Park) antes da viagem para Rotorua.

Fomos andamos até a região de Newmarket:




Estação de trens de Newmarket:



Pegamos um trem para a estação Kingsland:


Casas de madeira em frente a estação:



O Eden Park, o principal estádio de rugby da Nova Zelândia. Este foi o estádio da partida de abertura e da final da Copa do Mundo de Rugby em 2011. A seleção da Nova Zelândia foi campeã do mundo neste estádio ao vencer da França. O rugby é o o esporte mais popular aqui.




Fizemos uma visita guiada dentro do estádio. Custou $15 (R$32). Só tinha a gente e mais um casal britânico fazendo a visita. Como o inglês da Nova Zelândia é sinistro, a gente entendeu pouca coisa que a guia falava. Além do sotaque fortíssimo, ela falava muito rápido !!

A guia nos levou primeiro para conhecer um campo de cricket anexo ao estádio, onde estava rolando uma partida do Auckland Aces.




Fomos depois para o campo principal de rugby. A guia disse que o campo também recebe partidas de cricket e de futebol, após adaptações. Uma parte da arquibancada é retirada para as partidas de cricket, pois o campo é maior que o de rugby e futebol.




Túnel de entrada para o campo:



Vestiário:


Camisa do All Blacks (seleção neozelandesa de rugby):



Hidromassagem:



Sala onde ficam os técnicos. Isso mesmo, os técnicos de rugby não ficam no campo como acontece no futebol.. No rugby, eles ficam analisando a partida de cima, vendo estatísticas e jogadas pelos monitores de TV. Se comunicam por rádio com a equipe técnica que fica em campo.



No alto da arquibancada:




Bares e lanchonetes. Apesar de não ser permitido bebidas alcoólicas nas ruas de Auckland, dentro dos estadios é permitido.



Pegamos o trem de volta para o centro da cidede e fomos buscar a bagagem no hotel. Comemos um kebab e embarcamos no ônibus rumo a Rotorua..



A viagem durou 4h. Pegamos um pouco de engarrafamento na saída de Auckland, pois era hora do rush (17:30).

Paisagem durante a viagem:



Rotorua não tem rodoviária. O ônibus parou em frente ao posto de informações turísticas da cidade (I-Site). Não fez nenhuma parada durante a viagem e não tinha banheiro. Além disso, não era permitido comer nada dentro dele. Ou seja, chegamos em Auckland passando muita fome, sede, e apertados para ir ao banheiro. Por sorte, o nosso hostel (YHA Rotorua) ficava perto do ponto final do ônibus. Diária no quarto triplo (banheiro coletivo) por $36/pessoa (R$79).

A primeira coisa que estranhamos quando chegamos a Rotorua foi o cheiro de ovo podre nas ruas. Isso acontece por causa do enxofre que é liberado pelos diversos campos termais existentes na cidade.

Fizemos o checkin no hostel e saímos para procurar alguma coisa pra comer. Foi bem difícil, pois estava tudo fechado. Parecia cidade fantasma. Não tinha quase ninguém na rua.  Já eram quase 10h da noite e estava bem frio (uns 15 graus ou menos). Vimos algumas pessoas passando de bermuda e camiseta naquele frio...sinistro !! Devem estar acostumados a temperaturas mais baixas.

Rodamos, rodamos e depois de um tempo encontramos um bar aberto, o Brew. Parecia ser o único que ainda estava funcionando. Por milagre, a cozinha ainda estava funcionando, e pedimos uma pizza. Achei esse bar show de bola. Tinha diversos tipos de cerveja artesanal. Essa foi uma das que experimentei, a Rocky Know IPA...muito boa !! Custou $9,20 = R$20 (500 ml)...um preço bem salgado, mas normal aqui.



Ficamos até meia-noite no bar e voltamos pro hostel. Não tinha mais nada pra fazer na cidade.

Um comentário:

  1. Cara, como a Nova Zelândia é cara. Parece pior que o norte da Europa.

    ResponderExcluir

[Mochilão 15] Dia 23: Quebec - Rio

Último dia da viagem. :-( Mais um dia de sol e temperatura agradável (22 graus). Um dos portões da cidade antiga (Vieux-Quebéc): ...