[Mochilão 11] Dia 16: Sydney

Sábado de sol e calor de 28 graus. Aproveitamos para conhecer as praias do norte de Sydney. 

O Guilherme e a Rachel foram buscar a gente de carro no hotel, e atravessamos a Harbour Bridge para chegar à praia de Mainly. Demoramos mais ou menos meia hora para chegar lá. É possível também chegar a Mainly de barca, a partir do terminal marítimo do Circular Quay (centro da cidade). 

Como estava difícil encontrar vaga nas ruas próximas à praia, paramos o carro num estacionamento.  Até tinha algumas vagas livres na rua, mas o período máximo de permanência delas era de 2h (controlado por parquímetro), e certamente demoraríamos mais que isso na praia.

Ruas de pedestre em Mainly. Lembra muito Santa Monica (Califórnia).





Esta é a The Corso, a principal rua de pedestres de Mainy, com muitos bares, restaurantes, lanchonetes e lojas:




Paramos numa loja de conveniência para comprar um sanduba, já que não deu tempo de comer nada depois que saímos do hotel. O Guilherme a Rachel comparam um açaí (sim, tem isso aqui também !!!) numa lanchonete e foram atendidos em português (balconista brasileiro).

Uma coisa esquisita que reparamos na Austrália: de vez em quando você gente andando descalço na rua, inclusive no centro da cidade e dentro de shoppings !! Flagrei essa menina andando descalça em Mainly:



A praia de Mainly é uma das mais famosas de Sydney. Assim como Bondi Beach, é muito frequentada por surfistas. Tinha bastante gente no calçadão e na areia, mas não estava lotada. Bem menos cheia que Ipanema num fim de semana de verão.

Uma coisa que chama a atenção é que ninguém usa cadeira e barraca. Fica todo mundo torrando no sol, e olha que o sol australiano é bem forte e perigoso, devido ao índice altíssimo de radiação UV (ultra-violeta).







Bebedouro público:


Mainly Life Saving Club. Os salva-vidas das praias de Sydney não são do Corpo de Bombeiros pagos pelo governo como no Rio. São voluntários membros do clube de salva-vidas, organização sem fins lucrativos que é sustentada pelas mensalidades dos associados e por doações.


A regra número 1 imposta pelos salva-vidas aqui é "swim between de flags", ou seja, você só pode entrar na água num pequeno trecho demarcado por duas bandeiras, para que os salva-vidas possam concentrar seus trabalhos e vigiar os banhistas somente ali. O restante da praia é dos surfistas.

 




Caminho entre Mainly e Shelly Beach:




 Cadê os muros, grades e cercas elétricas ?? Surreal ! Qualquer um poderia entrar naquela varanda...


Galerinha pegando sol na pedra:


Piscina pública (com água do mar):


Mapa da região:



Shelly Beach, uma pequena praia sem ondas mais frequentada por familias com crianças:




Algumas pessoas em vez de levar barraca de praia, levam pequenas barracas de camping (!!!!!) para proteger os filhos do sol:



Passamos um tempo nessa praia pegando uma sol e dando um mergulho no mar.

Nas praias de Sydney é comum também ver gente fazendo churrasco. Algumas praias tem churrasqueiras públicas.




A Shelly Beach tem trilhas e um mirante:





A praia de Mainly vista do mirante, e as praias vizinhas (Freshwater e Curl Curl). Sydney tem uma quantidade incrível de praias. São aproximadamente 100 (!!) praias, incluindo as oceânicas e as da baía de Sydney, todas limpas.




A equipe:



Multa de 3.300 dólares ou 6 meses de prisão para quem capturar o Eastern Water Dragon, um réptil comum na região. É um "primo" do camaleão e da iguana.




Tinha muita gente praticando stand up paddle por lá:


Biquinis australianos, modelo "vovó mafalda" :-)



Ficamos até umas 3 da tarde na praia, e depois voltamos para Mainly para almoçar. No caminho entre Shelly e Mainly vimos alguns Eastern Water Dragons:


 Calçadão de Mainly:




 Restaurantes da orla:


A rua de pedestres The Corso estava bem mais cheia que quando chegamos na praia mais cedo:




 Almoçamos no Watervue, um dos restaurantes da The Corso com mesas na calçada. Comi um peixe frito com lula por $15 (R$36). Estava bem mais ou menos para esse preço.



Cerveja australiana Tooheys New:


Encontrei por lá com o Mauro, um amigo paulista que trabalhou comigo 10 anos atrás e que mudou para Sydney há alguns anos. Ele contou maravilhas: que o ritmo de trabalho é bem mais tranquilo que no Brasil, e que está muito satisfeito com a vida australiana.

Voltamos para o hotel no final da tarde.

De noite, comi um burrito ($13 = R$31) na Taquería Guzman y Gomez, perto do hotel. É uma lanchonete de fast food de comida mexicana muito boa, apesar de cara. Os funcionários eram todos mexicanos.


De noite fizemos um pré-night na casa do Guilherme e Rachel, e depois partimos pra Ivy, a mesma boate onde fomos na quinta. Estava tendo uma festa da Pacha lá, e desta vez tinha que pagara para entrar ($40 = R$96). O Morão estava cansado e preferiu não entrar. Acabei entrando só com o Numb2. O lugar estava bombando !!



São 3 andares de boate, sendo que o de cima é um terraço com uma pool party ! Irado !!










As 2:30 em ponto os bares pararam de vender bebidas, por força da lei, e às 3h acenderam as luzes, cortaram o som e os seguranças colocaram todo mundo pra fora.

Me perdi do Numb2 e não tinha como me comunicar com ele porque meu celular tinha descarregado. Voltei andando pro hotel (uns 30 min).

Placas colocados pelo governo para informar as leis locais: proibido consumir bebida alcoólica nas ruas, proibido vender bebida alcoólica nos bares após 3 da manhã, proibido entrar em bares e boates após 1:30, proibido vender bebida alcoólica após 22h e levar para casa (tem que consumir no local). Além disso, bebidas alcoólicas não são vendidas em supermercados na Austrália. Só são vendidas em lojas especializadas chamadas de "liquor stores", e são caras.  O alcoolismo é um problema sério de saúde pública na Austrália. É comum ver bêbados brigando na rua e em boates por aqui. Depois que um cara morreu numa briga de rua recentemente (fato que chocou o país), o governo tomou uma série de medidas para restringir o consumo de álcool. 



Parei no McDonald's pra comer um McChicken ($5 = R$12). Incrível como só tinha gente bêbada lá dentro (e pelas ruas também), incluindo mulheres. Tinha alguns que mal conseguiam andar direito. O pessoal faz uma sujeira enorme nas mesas, deixa tudo cair no chão, não joga o lixo na lixeira...acho que nunca tinha visto um McDonald's tão sujo !!


No caminho, olha o que eu encontrei...uma loja chamada BUNDA ! hahahah


Outra coisa esquisita em Sydney é que muitos bares oficialmente não são bares, e sim hotéis (!!!). New Windsor Hotel, O'Malley's Hotel... não tente procurar um quarto lá, pois o máximo que conseguirá é uma mesa ! :-) Isso deve ser alguma jogada para pagar menos imposto para a prefeitura.




2 comentários:

  1. Nunca tinha ouvido falar que os australianos bebem como os escandinavos. Isto é sinal de infelicidade, apesar de tudo indicar o contrário.

    ResponderExcluir
  2. Eu fui em um MCDonalds na George Street e realmente estava imundo !!! E complementando a regra de bebidas, se estiver na balada e estiver muito bêbado, o estabelecimento não pode mais te vender nada, assim como se pegarem você comprando bebida para quem está bêbado, é multa na certa .... :)

    ResponderExcluir

[Mochilão 15] Dia 23: Quebec - Rio

Último dia da viagem. :-( Mais um dia de sol e temperatura agradável (22 graus). Um dos portões da cidade antiga (Vieux-Quebéc): ...