[Mochilão 10] Dia 13: Bucareste - Brașov

Hora de dizer adeus a Bucareste e partir rumo a Braşov (pronuncia-se “Brashov”), na Transilvânia. Esta região do interior da Romênia foi colonizada por alemães, e isso se reflete na arquitetura das construções e nos muros medievais que ainda cercam algumas das cidades. Assim foi descrita a cidade pelo Lonely Planet: “Braşov is Romania’s ground-zero tourist destination for very good reasons. Ringed by perfect mountains and verdant hills, the city is adorned with baroque facades, bohemian outdoor cafes and the lovely Piața Sfatului – one of Romania’s finest square”.

Me despedi do Numb2, que estava voltando para o Rio. A partir de agora, continuo a viagem sozinho. Peguei o metrô rumo a Gara de Nord, a principal estação de trens de Bucareste.

DSC09872.jpg

DSC09873.jpg

Por causa de 10 minutos perdi o trem das 15:30 para Braşov. Comprei a passagem (22 lei = R$14) das 16:30. Tinha então uma hora de espera na estação. Comi no McDonald’s (16 lei = R$10 o menu do Bic Mac) e embarquei.

DSC09874.jpg

O trem estava lotaaado. Não tinha nenhum assento disponível. Me encaixei num canto do vagão, sentei em cima da mochila e fiquei blogando durante as intermináveis 4h de viagem. Pelo menos o trem tinha tomada, então consegui carregar a bateria do notebook. Esse trem que eu peguei era um “parador”, que demora bem mais. O trem normal demora 2:45h.

Depois de 1h de viagem, o trem esvaziou e eu consegui uma poltrona pra mim.

DSC09875.jpg

No trajeto, belas paisagens. O trem passou por pequenos vilarejos com casas de madeira, e montanhas cobertas por pinheiros.

DSC09877.jpg

DSC09879.jpg

DSC09886.jpg

Estação ferroviária de Braşov.

DSC09887.jpg

DSC09888.jpg

Peguei um taxi (20 lei=R$12,50) para o Kismet Dao Hostel, pois da estação de trens até lá são 2,5km. Sempre que posso, evito os taxis, porque é a maneira mais fácil de um turista ser enganado. Não deu outra. Negociei o preço de 20 lei, o que não deixa de ser barato. No hostel, o recepcionista disse que o preço normal deveria ser de cerca de 10 lei, e que a corrida deveria ter sido feita por taxímetro. Não vi nenhum taximetro no taxi. Enfim, paguei o dobro do que deveria, mas nem esquentei, pois gastei apenas R$6 a mais.

O hostel:

DSC09893.jpg

Rua do hostel:

DSC09894.jpg

DSC09895.jpg

Painel na entrada do hostel:

DSC09892.jpg

Fiquei num quarto com 3 beliches, mas só havia mais 2 pessoas além de mim.

DSC09890.jpg

DSC09891.jpg

Tomei um banho e saí para dar uma volta e comer algo.

Prefeitura de Braşov:

DSC09897.jpg

Strada Republicii, principal rua de pedestres da cidade, com muitas lojas, bares e restaurantes. Estava tudo vazio, talvez por ser uma segunda-feira.

DSC09899.jpg

DSC09901.jpg

Começou a relampejar MUITO, mas não chovia. Nunca vi isso. Sinistro demais !! É, realmente estou na Transilvânia, heheheh. Mas por enquanto não vi nenhum morcego ou vampiro :)

Piata (pronuncia-se “piazza”, como no italiano) Sfatului, a principal de Braşov.

DSC09904.jpg

DSC09906.jpg

Achei Braşov bem mais bonita e fotogênica que Bucareste. Lembra muito as cidades do interior da República Tcheca e Polônia. Dizem que Sibiu e Sighişoara, outros destinos turísticos populares da Transilvânia, são ainda mais bonitas, mas infelizmente desta vez não vou poder conhecê-las.

Comi um frango com queijo num restaurante da rua de pedestres. Estava bem vazio e já estava tarde (22h).

Voltei pro albergue e fui dormir. Estava morto. Em 13 dias de viagem, dormi apenas 2 vezes antes das 5h da manhã. A média estava boa, ehehhehe. No quarto, quando cheguei, já estava todo mundo dormindo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

[Mochilão 15] Dia 23: Quebec - Rio

Último dia da viagem. :-( Mais um dia de sol e temperatura agradável (22 graus). Um dos portões da cidade antiga (Vieux-Quebéc): ...