[Mochilão 9] Dia 13: Kyoto - Hiroshima

Acordei às 9h.

Umas fotos que tirei na cobertura do albergue com a vista da cidade:

DSC08373.jpg



DSC08374.jpg

Corredor do meu andar:

DSC08375.jpg

Recepção:

DSC08377.jpg

Escaninho onde todo mundo guardava os sapatos na recepção:







DSC08376.jpg

Hora de partir rumo a Hiroshima. Estação de trens de Kyoto:

DSC08378.jpg



DSC08379.jpg

Mangás (histórias em quadrinho lidas por adultos) numa banca da estação:

DSC08380.jpg

Painel na estação:com o Monte Fuji:

DSC08387.jpg

O Shinkansen que peguei:

DSC08386.jpg



DSC08381.jpg



DSC08383.jpg

Com o meu passe de trem eu não podia pegar o trem expresso (Nozomi) para Hiroshima. Peguei então um Hikari para Osaka (15 min) e de lá um Sakura até Hiroshima (1:30h).

DSC08388.jpg



DSC08391.jpg

A “ferromoça” passando com os lanches e bebidas:

DSC08392.jpg

Chegada a Hiroshima:

DSC08395.jpg

Estação ferroviária:

DSC08396.jpg

Em frente à estação:

DSC08397.jpg

Hiroshima surpreende pelo tamanho. Era uma cidade arrasada depois da 2ª Guerra Mundial, mas foi reconstruída em pouco tempo e hoje é uma verdadeira metrópole, símbolo do poder de superação e capacidade de trabalho do povo japonês. O único sinal de destruição é o memorial da Cúpula da Bomba-A, tombado como Patrimônio Mundial da Unesco.

O albergue ficava bem perto da estação. Deu pra ir até andando.

No caminho, uma ponte sobre um canal:

DSC08398.jpg

O albergue (K’s House Hiroshima):

DSC08399.jpg

Rua do albergue:

DSC08400.jpg

O quarto do albergue era para 5 pessoas (tinha 2 beliches e uma cama). Só tinha um italiano lá, muito gente boa. Fiquei desenferrujando meu italiando com ele um tempo lá.

Tinha uma 7-Eleven bem perto do albergue (para variar !!). Comprei lá meu lanche:

Bebida “Strong Zero”. Achei que fosse uma limonada, mas tinha álcool. Parecia uma ice. Fiquei “no brilho” sem querer :)

DSC08401.jpg

Croquete de batata:

DSC08402.jpg

Algo semelhante a uns pastéis com umas coisas dentro que não consegui descobrir o que era. Mas tava muito bom.

DSC08403.jpg

Hiroshima é uma cidade grande, de 1 milhão de habitantes. Não tem metrô, mas tem um sistema de bondes que funciona muito bem. Paga-se a passagem com moedas ao sair, como nos ônibus de Tóquio.

DSC08404.jpg



DSC08406.jpg

A cidade ficou famosa mundialmente por causa da bomba atômica que foi jogada lá pelos americanos em 1945, no fim da 2ª Guerra Mundial. Cerca de 140 mil pessoas morreram (quase metade da população da cidade na época) e Hiroshima foi compleamente destruída.

Estes escombros são do antigo Salão da Promoção Industrial (conhecido como “Cúpula da Bomba-A”). Foi mantido de propósito como memorial. É tudo o que restou da antiga cidade antes da bomba.

DSC08409.jpg



DSC08410.jpg



DSC08412.jpg

Em frente aos escombros, um memorial com flores e garrafas pet com água.

DSC08408.jpg

Ponte para o Parque da Paz, local que foi o epicentro da explosão da bomba. Era um local densamente povoado, com muitas casas e comércio. Todas as pessoas que estavam nesse local morreram instantaneamente.

DSC08413.jpg

Museu Memorial da Paz, contando a história da cidade antes e depois da bomba:

DSC08431.jpg



DSC08433.jpg

A bomba foi jogada de um avião bombardeiro a 9.600m de altitude, e explodiu 43 segundos depois a uma altitude de 600m sobre o local onde se encontra o Parque da Paz. A temperatura no solo atingiu instantaneamente 5000 graus Celsius, incinerando tudo que havia pela frente. A pressão da explosão gerou uma rajada de vento superpotente que destruiu imediatamente todas as construções num raio de 2 kilômetros.

DSC08415.jpg

O trajeto do avião bombardeiro:

DSC08416.jpg

Foto da região logo depois da explosão da bomba:

DSC08417.jpg

O local onde hoje é o Parque da Paz antes da explosão da bomba:

DSC08423.jpg

O Salão da Promoção Industrial antes de ser destruído:

DSC08422.jpg

Depois da explosão da bomba, nada restou no local:

DSC08419.jpg

Destruição e pessoas com queimaduras graves pelo corpo:

DSC08425.jpg

Um velocípede retorcido:

DSC08427.jpg

Roupas incineradas:

DSC08428.jpg

Estátua de Buda semi-derretida:

DSC08429.jpg

O museu conta coisas interessantes. Por exemplo, a cidade ficou sem luz elétrica e transporte, mas a primeira linha de bondes foi reestabelecida apenas 3 dias depois da explosão da bomba. A eficiência japonesa vem de longa data.

O Parque da Paz:

DSC08430.jpg



DSC08432.jpg

Arvores “Fenix”, que estavam plantadas a 1,5km do epicentro da bomba, e foram transplantadas para o Parque da Paz. Ainda tem parte da copa queimada, mas sobreviveram.

DSC08434.jpg

Chama da Paz, que só será apagada no dia em que todas as armas nucleares foram eliminadas do mundo.

DSC08435.jpg



DSC08436.jpg

Paz:

DSC08437.jpg

Monte da Memória, onde estão as cinzas de milhares de pessoas que foram cremadas no local:

DSC08438.jpg

Sino da Paz, que pode ser tocado por quem quiser:

DSC08439.jpg

Parque da Paz:

DSC08440.jpg

A Cúpula da Bomba-A iluminada à noite:

DSC08442.jpg

Um desafio no Japão, mais do que óbvio, é a barreira da língua. Muitos japoneses aprenderam inglês na escola, mas poucos conseguem expressar-se oralmente, por ser uma língua totalmente diferente. De fato, encontrei poucos que respondem "hai" (sim) quando pergunto "Eigo ga hanasemasu ka ?" (você fala inglês ?). Tentei memorizar antes da viagem as expressões mais importantes em japonês. Quando um turista estrangeiro tenta falar qualquer coisa em japonês, as pessoas aqui ficam bastante impressionadas. O que mais se escuta aqui é "kudasai" (por favor) e "arigatô gozaimas" (obrigado). A escrita é uma maluquice só: uma mistura do Kanji (um subconjunto de 6.000 ideogramas chineses), hiragana (104 caracteres silábicos) e katakana (51 caracteres silábicos, usados somente para nomes estrangeiros). Pra que simplificar, se pode ser bem complicado, né ? Já havia aprendido alguns poucos ideogramas simples na viagem que fiz a China em 2010, como 人 (pessoa), 口 (porta, portão), e 山 (montanha), mas a grande maioria dos ideogramas são complexos e dificílimos de memorizar.

Todos os nomes dos bairros e cidades japonesas tem algum significado por trás. São escritos combinando dois ou três ideogramas, exatamente como é feito na China. Por exemplo, Tóquio em japonês é 東京 (東=leste, 京=capital), ou seja, “capital do leste”, pois fica a leste da China. Japão em japonês pronuncia-se “nippon” e em ideogramas é 日本 (日=sol, 本=origem), significando “origem do sol”, ou “sol nascente”, pois o sol nasce primeiro no Japão e depois na China.

Um shopping center com muitos restaurantes:

DSC08443.jpg

Castelo de Hiroshima, que foi destruído pela bomba e restaurado depois.

DSC08445.jpg

Nesta passagem subterrânea, um monte de bicicletas estacionadas sem nenhuma corrente ou cadeado. Se fosse no Brasil, seriam levadas em questões de minutos por ladrões....

DSC08447.jpg

O Mazda Stadium, casa do Carp, time de beisebol de Hiroshima. Uma partida havia terminado pouco antes, e tinha uma multidão saindo de lá. O beisebol é o esporte mais popular no Japão.

DSC08448.jpg



DSC08451.jpg

Comprei meu jantar no 7-Eleven: um macarrão, croquetes e suco.

Fui dormir às 23h.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

[Mochilão 15] Dia 23: Quebec - Rio

Último dia da viagem. :-( Mais um dia de sol e temperatura agradável (22 graus). Um dos portões da cidade antiga (Vieux-Quebéc): ...