[Mochilão 9] Dia 11: Kyoto

Acordei cedo, às 7h.

Vista da janela para as casas vizinhas:

DSC08084.jpg

Passei na Mini Stop, uma loja de conveniência próxima ao albergue.

DSC08093.jpg

Comprei lá meu café da manhã: café com leite gelado:

DSC08085.jpg

Uma espécie de panqueca com um doce dentro que parecia quindim:

DSC08087.jpg

Pão verde (de erva) com recheio de feijão doce:

DSC08090.jpg

Leite:

DSC08092.jpg

A estação ferroviária:

DSC08094.jpg

Uma propaganda interessante :)

DSC08095.jpg

Uma avenida perto da estação ferroviária:

DSC08096.jpg

Acompanhando a linha do trem:

DSC08098.jpg

Casas com garagens apertadas. Os carros não podem ser muito grandes, senão não cabem nelas.

DSC08099.jpg

Típica rua japonesa bem estreita:

DSC08101.jpg

Após uma boa caminhada, chegando no templo Toji, sede da seita Shingon do Budismo. Foi fundado no século 8.

DSC08102.jpg

O budismo japonês é muito diferente do chinês e tailandês. É misturado ao xintoísmo, que é a religião japonesa mais antiga (da pré-história) que venera divindades relacionadas a elementos da natureza (montanhas, mares, rios, tempestade, sol, etc), sentimentos (sabedoria, amor) e outros (como deus da guerra, e o deus da cura de doenças). Os antigos imperadores também eram venerados como divindades. Além disso, o budismo aqui tem diversas seitas diferentes, e cada templo é de uma seita específica.

Água sagrada. Os japoneses pegam essa água com umas conchas, lavam as mãos e bebem.

DSC08103.jpg

Um santuário dentro do complexo do templo Toji:

DSC08106.jpg

DSC08107.jpg

DSC08108.jpg

DSC08109.jpg

Imagem de Buda com um lenço vermelho:

DSC08110.jpg

Ideogramas. Não tenho idéia do que isso signifique.

DSC08112.jpg

O pagode do templo Toji, o mais alto do Japão, com 5 andares:

DSC08117.jpg

DSC08124.jpg

DSC08122.jpg

Jardins no estilo japonês:

DSC08118.jpg

Carpas:

DSC08119.jpg

Outros pavilhões do templo:

DSC08123.jpg

DSC08125.jpg

Saindo do templo, fui andando até as margens do rio Kamo, que corta a cidade.

Propagandas políticas na rua:

DSC08128.jpg

DSC08132.jpg

Todo mundo feliz :)

DSC08129.jpg

Muita gente usa bicicleta como meio de transporte em Kyoto também:

DSC08130.jpg

Cerveja Kirin, uma das mais tradicionais no Japão:

DSC08131.jpg

Ruas apertadas. Acredite, passam carros nelas:

DSC08133.jpg

DSC08135.jpg

Máquinas de pachinko:

DSC08134.jpg

O Shinkansen passando por cima de um viaduto:

DSC08136.jpg

Policial desenho animado:

DSC08137.jpg

Edificio residencial. As pessoas penduram as roupas na varanda. Provavelmente não tem área de serviço.

DSC08143.jpg

Rio Kamo:

DSC08145.jpg

Como as ruas normalmente são estreitas, não vi carros estacionados nas ruas ou nas calçadas aqui no Japão, mas tem uns pequenos estacionamentos sem cancela, com parquímetro. Os carros são travados pelas rodas, e só são destravados após o pagamento no parquímetro.

DSC08146.jpg

Templo Sanjusangendo:

DSC08148.jpg

O salão principal desse templo tem 1001 imagens idênticas de Kannon, a deusa budista da compaixão. Impressionante !! Não podia tirar foto nesse pavilhão, mas peguei essa foto da internet.

sanjusangendo.jpg

sanjusangendo2.jpg

Neste local tinha muitas estátuas de divindades do hinduismos que foram incorporadas pelo budismo.

sanjusangendo3.jpg

Excursões de estudantes japoneses uniformizados:

DSC08149.jpg

DSC08150.jpg

Mulheres vestidas ccm roupa de gueixa:

DSC08152.jpg

DSC08154.jpg

Jardim japonês dentro do templo:

DSC08155.jpg

Sino:

DSC08156.jpg

Um dos pavilhões do templo:

DSC08158.jpg

DSC08160.jpg

Subindo uma ladeira no bairro das gueixas (Higashiyama), com muitas casas antigas de madeira:

DSC08165.jpg

Estatua de Buda:

DSC08166.jpg

Portal de entrada do templo Kiyomizu-dera, no alto de um morro no bairro de Higashiyama. Este templo tem mais de 1000 anos.

DSC08169.jpg

DSC08172.jpg

Sino:

DSC08173.jpg

Pedidos e agradecimentos em placas de madeira e pedaços de papel em frente ao templo:

DSC08175.jpg

DSC08176.jpg

Água sagrada:

DSC08177.jpg

DSC08178.jpg

DSC08174.jpg

Imagem de Buda:

DSC08179.jpg

Entrada do templo:

DSC08181.jpg

Japoneses agachados orando em frente a imagem de Buda:

DSC08183.jpg

Incenso:

DSC08184.jpg

Um santuário xintoista ao lado do templo, demonstrando como o budismo no Japão é misturado ao xintoísmo.

DSC08185.jpg

DSC08190.jpg

DSC08186.jpg

Um vídeo que gravei de uma japonesa orando no santuário. Eles batem uma palma para invocar o kami (espírito) que habita no santuário.

DSC08188.jpg

Amuletos da sorte vendidos como souvenir:

DSC08189.jpg

Uma pedra com uma corda amarrada. Não entendi o significado disso.

DSC08191.jpg

O pavilhão principal do templo no alto da montanha:

DSC08192.jpg

Vista para a cidade:

DSC08193.jpg

Imagens de Buda com uns panos pendurados:

DSC08194.jpg

Restaurantes tradicionais perto do templo, com mesas baixas e pessoas sentadas no chão.

DSC08197.jpg

DSC08198.jpg

Mulheres vestidas com roupas de gueixa passando:

DSC08201.jpg

Um monge pedindo esmola:

DSC08203.jpg

Na saída do templo, achei engraçado que tinha um casal ocidental com uma garotinha de uns 3 anos loirinha, os japoneses ficavam todos tirando foto dela, como se fosse uma coisa de outro mundo.

Riquixá:

DSC08204.jpg

Dei uma passada num 7-Eleven pra comprar meu lanche. Uma prateleira com diversos tipos de saquê:

DSC08205.jpg

Café gelado “Brazil”:

DSC08258.jpg

Chá gelado:

DSC08210.jpg

Santuário Yasaka:

DSC08206.jpg

DSC08207.jpg

DSC08209.jpg

DSC08217.jpg

DSC08213.jpg

DSC08214.jpg

Proibido alguma coisa !!



DSC08218.jpg

Gueixas num riquixá:

DSC08222.jpg

Riquixá:

DSC08227.jpg

Um restaurante tradicional:

DSC08229.jpg

Estátua de Avalokiteshvara, divindade do budismo que representa a suprema compaixão.

DSC08233.jpg

Ruas com casas de madeira no bairro das gueixas (Higashiyama):

DSC08220.jpg

DSC08235.jpg

DSC08236.jpg

DSC08238.jpg

DSC08246.jpg

DSC08248.jpg

DSC08257.jpg

Eu interagindo com as gueixas :)

DSC08259.jpg

Essas gueixas estavam com o rosto pintado de branco, como manda a tradição:

DSC08239.jpg

DSC08241.jpg

Painéis com samurai e gueixa:

DSC08247.jpg

Boneca gueixa:

DSC08249.jpg

Este gato é vendido em tudo quanto é lugar no Japão. Significa algo aqui.

DSC08250.jpg

Sorvete de chá verde:

DSC08254.jpg

Pagode Yasaka:

DSC08255.jpg

DSC08256.jpg

Ichiriki, a mais famosa ochaya (casa de chá) de Gion, bairro vizinho a Higashiyama. Pouco depois que tirei essa foto, um monte de gente ficou em frente a essa casa de chá. Pareciam esperar alguém famoso sair. Era alguma gueixa famosa, que entrou rapidamente num taxi. Estava todo mundo tirando foto dela.

DSC08262.jpg

Um restaurante em Gion:

DSC08263.jpg

Teatro kabuki em Gion:

DSC08266.jpg

DSC08267.jpg

Pontocho, local da boemia, com muitos restaurantes, bares e boates.

DSC08268.jpg

DSC08269.jpg

Um banheiro público com uma espreguiçadeira. É pra quem quer tirar um cochilo ??? E as coisas bizarras do Japão não param de aparecer :)

DSC08271.jpg

Peguei o metrô de volta para o albergue. O sistema é semelhante ao de Tóquio: não há bilheterias, e compra-se a passagem numas máqiunas automáticas, pagando o valor de acordo com a distância percorrida.

DSC08272.jpg

DSC08273.jpg

Chegando no albergue, dei uma passada antes na loja de conveniência pra comprar algo pra comer.

“Kuroketa” (croquete) de batata:

DSC08274.jpg

Cerveja Sapporo:

DSC08275.jpg

Macarrão com nori, cogumelos e algo que parecia caviar.

DSC08276.jpg

Sábado a noite...mesmo cansado, parti pra night.

Minha grana estava acabando. Dei uma passada antes na Mini Stop, a loja de conveniênia perto do albergue, pra fazer um saque num caixa eletrônico que tinha lá, mas apareceu uma mensagem dizendo que só eram aceitos cartões emitidos por bancos japoneses. Era o que faltava !!! Precisava de dinheiro pra sair a noite, e as casas de câmbio já tinham fechado. Passei numa Lawson (outra loja de conveniência) e deu o mesmo erro. Sobrou o 7-Eleven, e lá eu consegui sacar normalmente. Então fica a dica... com cartões de bancos não-japoneses, sacar somente nos caixas das filiais do 7-Eleven.

Tome um energético “Mad Croc” pra dar um gás.

20120526_225624.jpg

Cerveja Asahi:

20120526_225654.jpg

Pegando o metrô para a região de Pontocho, onde fica concentrada a vida noturna da cidade.

20120526_234651.jpg

Tinha pesquisado alguns nomes de lugares para sair. Um deles era a World Club, a maior boate da cidade. Cheguei lá e estava fechada, com um aviso na porta em japonês. Chegaram mais uns japoneses, e perguntei pra eles se falavam inglês. Não falavam, mas apareceu um ocidental que falava inglês e japonês, e disse que a casa estava fechada já há algum tempo. Ele era indiano e morava em Kyoto há mais de 10 anos. Disse que conhecia uns bares legais lá por perto, e perguntou se eu queria ir com ele. Achei meio estranho, tava amiguinho demais. Estava com toda a cara de que ele era “tut” (esses caras que ganham comissão pra atrair clientes para bares e boates). Bem, não tinha nada a perder em pelo menos ver se o bar era legal. Fui com ele lá. Era um bar minúsculo no subsolo, que estava lotado. Horrível o lugar. Fiquei uns 5 minutos lá e fui embora. Reparei que o indiano cumprimentou os seguranças e o pessoal do bar... ou seja, era realmente apenas um tut.

A outra boate que eu tinha visto na internet era muito longe, acho que não ia valer a pena gastar uma grana sinistra de taxi pra ir. O metrô já tinha fechado. Tentei procurar algum outro lugar legal ali por perto mesmo, mas reparei que tinha muitos casais gays pelas ruas. Acho que seria furada entrar em algum lugar nessa região.

Terminei a noite num num karaokê, pagando mico pra mim mesmo ! ehhehe. Ir pro Japão sem passar por isso não teria graça.

Paguei 1500 yens (R$38) por 1 hora de karaokê e uma cerveja 500ml. Você tem direito a um quarto particular com TV e sofá, ou seja, o mico você paga só para a sua galera. Tinha diversos quartos iguais a esse lá.

20120527_014509.jpg

O control remoto com touch screen, onde se escolhe a música.

20120527_014550.jpg

Escolhi uma música da Shakira, e o vídeo de fundo era com imagens do Rio !!! ahhahaha. Será que eles acham que a Shakira é brasileira ??

20120527_015548.jpg

20120527_015647.jpg

Depois encontrei algumas músicas brasileiras, como do Gilberto Gil e Caetano Veloso.

20120527_023135.jpg

Não tinha mais metrô pra voltar pro albergue, e era meio longe pra ir andando. Respirei fundo, preparei os bolsos e peguei um taxi. Só a bandeirada inicial custou 630 yens (R$16) !! Paguei 1200 yens (R$30) pra andar uns 2 km.

Fui dormir às 3h. De madrugada, às 4 da manhã, tocou um alarme no prédio do albergue, que precisou ser evacuado. Ninguém sabia ao certo se era de incêndio ou terremoto, mas não tinha nenhum sinal de fumaça e não estava balançando nada. Chegou um carinha de bibicleta que entrou no predio, liberou a entrada e ficou por isso mesmo, ninguém soube dizer por que o alarme disparou. Bizarrices do Japão..

Por falar em terremotos.... É natural que muitos me perguntem: "Mas você não tem medo dos terremotos e da radiação no Japão ? Não está tudo destruído lá ?" É importante não se deixar levar pelo sensacionalismo. Quantos japoneses não teriam coragem de conhecer o Rio por terem visto pela TV os blindados da Marinha invadindo o Complexo do Alemão, quando na verdade a cidade está toda lá, com seus problemas sim, mas belíssima e cheia de atrações ? Para mim é a mesma coisa com o Japão. Conheço muita gente que jamais viria para cá, por medo de terremoto e radiação. Depois da avalanche de imagens e notícias de cidades destruídas pelo tsunami, com milhares de mortos, muita gente acaba achando que não sobrou nenhum japonês vivo, nenhuma edificação ficou de pé, e que o país todo está contaminado pela radiação. Menos, menos... Apenas a região de Sendai e Fukushima, 250Km ao norte de Tóquio, foi atingida, e mesmo assim, a reconstrução foi feita em tempo recorde, com uma eficiência impressionante. É claro que o tremor também foi sentido em outras regiões do país, mas de forma menos intensa. Tóquio saiu ilesa dessa. E quanto a possibilidade de acontecer um forte tremor justamente durante a minha estadia, eu diria que a chance existe, mas é muito menor do que a de acontecer algo de ruim comigo (como um assalto) em qualquer grande cidade do Brasil.

O Japão está localizado no encontro de 3 placas tectônicas, o chamado Anel de Fogo do Pacífico. Exatamente por isso, é o país com a maior incidência de terremotos por m2 no mundo, apesar do território pequeno. Além disso, tem cerca de 60 vulcões ativos. O último grande tremor na cidade foi em 1923, com 7,9 graus de magnitude. A cidade, ainda pouco preparada, ficou destruída, e milhares de habitantes morreram. Especialistas dizem que há uma chance grande de que um forte terremoto atinja Tóquio nas próximas décadas. A boa notícia é que este é o país mais bem preparado para enfrentar terremotos. As construções são preparadas para resitir aos tremores mais fortes, e a população é treinada para agir em caso de emergência.

Quase vim para o Japão no ano passado, mas acabei desistindo porque não achei passagens aéreas com preços atraentes. Foi pura sorte, pois eu estava me preparando para viajar em março, justamente quando o país foi atingido pelo pior terremoto de sua história (9 graus de magnitude). Provavelmente nada teria acontecido comigo, porque Tóquio e as outras cidades turísticas (como Kyoto e Hiroshima) nada sofreram. De qualquer forma, devido a esta tragédia, troquei o Japão pela Rússia e outros países do leste europeu, mas meu sonho de conhecer a "Terra do Sol Nascente" permaneceu vivo. Acompanhei os acontecimentos ao longo dos últimos meses. Atualmente os níveis de radiação em Tóquio continuam mais altos que o normal, mas não oferecem riscos para a saúde humana. (Leitura recomendada para ninguém ficar preocupado comigo: http://www1.folha.uol.com.br/mundo/891041-ha-mais-radiacao-no-es-que-em-toquio-diz-medico.shtml).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

[Mochilão 15] Dia 23: Quebec - Rio

Último dia da viagem. :-( Mais um dia de sol e temperatura agradável (22 graus). Um dos portões da cidade antiga (Vieux-Quebéc): ...