[Mochilão 5] Dia 2: Frankfurt

Chegamos em Paris às 16h, depois de 11 horas de vôo.

Passamos pela imigração e foi como no ano anterior: o guarda não fez nenhuma pergunta. Só olhou para a minha cara e carimbou o passaporte !

Pegamos a conexão para Frankfurt num voo da Lufthansa, onde chegamos 1 hora depois.

No aeroporto de Frankfurt, a surpresa desagradável: nossas mochilas não tinham chegado !!! Fomos no guichê de bagagens estraviadas da Lufthansa reclamar. A funcionária escutou a gente falando e nos atendeu em português. Era uma simpática portuguesa. Ela rastreou nossa bagagem no sistema e nos levou para uma sala cheia de malas extraviadas, para ver se encontrávamos nossas mochilas. Mas nada feito. Ela pediu pra gente esperar um pouco. Fomos comer um lanche e compramos um chip GSM. O Novello ligou pra Melanie, uma amiga nossa alemã, e ela ficou de encontrar com a gente mais tarde no albergue.

Voltamos ao guichê da Lufthansa. A funcionária portuguesa nos avisou que nossa bagagem foi localizada em Paris, chegaria a Frankfurt somente no dia seguinte de manhã cedo, e seria entregue no nosso hotel. O problema é que o casamento era no dia seguinte às 14h. Se a bagagem não chegasse mesmo de manhã, já era, teríamos que ir com a roupa do corpo pro casamento !!! Menos mal que ganhamos um "kit-bagagem-estraviada" com camisa, barbeador, escova de dente, pasta de dente, pente, e mais outras coisas.

Pegamos o trem no aeroporto e descemos no centro de Frankfurt. O albergue (Easybed) era a poucas quadras dali. Já era noite e estava frio (12 graus). Por sorte, o Novello havia levado um casaco extra na mochila que ele tinha levado como bagagem de mão, e me emprestou. Foi a minha salvação. As ruas nas redondezas do hotel eram limpas e organizadas, mas me chamou a atenção uma galera consumindo crack livremente na calçada, e muitas casas de strip. Mesmo assim, a sensação de segurança era total.

O albergue era bom. Fizemos o checkin e entramos no quarto. Tinha 3 camas, e uma delas já estava ocupada por alguém dormindo. Não acendemos a luz, tentamos fazer o mínimo de barulho, mas o Novello esbarrou numa das camas e fez um barulhão. O cara acordou, e falou "Ih, tem galho não véio, pode acender a luz", assim, em português mesmo ! hahahah. Era um cara de Manaus bem gente boa, que morava na Espanha e estava de férias dando um giro pela Europa. Tomamos um banho rápido. O pior foi tomar banho e ter que usar a mesma roupa que eu estava usando ! Fazer night de casaco e calça de moletom ia ser sinistro !

Ligamos pra Melanie de novo, e ela já estava chegando no albergue com a irmã Claudia e um amigo. Fomos todos nós e mais o cara de Manaus numa boate a algumas quadras do albergue.

Foto no caminho para a boate: Eu, Novello, Melanie, Claudia e o cara de Manaus:

Europa_2008_003.jpg

Na boate: Claudia, Melanie e eu:

CIMG0004.jpg

Tomando uma Schöfferhofer Weizen !!!

CIMG0007.jpg

Novello, Melanie, Claudia e eu:

Europa_2008_007.jpg

Tomamos váaaaarias cervejas alemãs e saimos tortos de lá às 4 da manhã.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

[Mochilão 15] Dia 23: Quebec - Rio

Último dia da viagem. :-( Mais um dia de sol e temperatura agradável (22 graus). Um dos portões da cidade antiga (Vieux-Quebéc): ...